background



Como treinar a mente para funcionar em alta performance?

A ciência mostra que a mente atua na sua melhor performance quando estamos nos sentindo leves, satisfeitos, amorosos e com uma sensação geral de bem estar.

Já foi demonstrado que o nível de felicidade de uma pessoa não depende de fatores externos como nível social, dinheiro ou saúde/doença. O que afeta o nível de felicidade e satisfação com a vida é o modo como encaramos o que nos acontece. Estudos mostram que uma pessoa ranzinza e mal humorada continua ranzinza e mal humorada mesmo tendo um milhão no banco.

Então o que podemos fazer para conseguir aumentar a nossa capacidade de sentir satisfação e bem estar?

Diversos pesquisadores estudaram atividades e exercícios mentais que podemos fazer e que refletem em nos fazer sentir mais satisfeitos com a vida, com melhor funcionamento fisiológico (até nosso organismo funciona melhor quando estamos mais positivos) e em última análise, mais felizes. E como você já sabe, ao nos sentirmos dessa forma nosso funcionamento mental se amplia e tudo passa a fluir com mais facilidade.

Uma técnica muito estudada e que você encontrará muita informação a respeito se fizer uma busca pela internet é fazer um diário de gratidão. Estudos correlacionam a gratidão com melhora de dores, melhora da alta estima, melhora da performance física e até com um fator protetor contra bullying. Um estudo mostrou que enquanto o grupo que escreveu em um diário da gratidão por duas semanas floresceu, melhorou parâmetros fisiológicos e estava com um índice alto de satisfação com a vida, o grupo que preencheu um diário de intercorrências estava apresentando aumento da pressão arterial, maiores índices de insatisfação com a vida, pânico e depressão. E quantos de nós preenchemos um diário mental de intercorrências sem perceber?

Culturalmente aprendemos a reclamar com frequência, sempre comentamos sobre eventos negativos e sobre tudo o que consideramos que está errado no mundo. Além disso, valorizamos muito poder desabafar sobre algum problema. O que não percebemos é que ao fazer isso revivemos o problema, que já foi desagradável quando o experimentamos pela primeira vez. Até fisiologicamente nosso organismo sente o mal estar de estar revivendo os eventos negativos. Nossos batimentos cardíacos aumentam, assim como a pressão arterial e o hormônio cortisol, que é o chamado hormônio do estresse. Esse estresse fisiológico, quando frequente, traz diversos malefícios à saúde.

Mas não é só isso. Em geral também não percebemos que ao comentar eventos negativos ficamos com um ranço, um mal estar por ficar com a sensação (deturpada) de que as coisas andam muito mal no mundo. Digo que é deturpada pois acabamos ficando com uma visão desproporcional, parecendo que os eventos negativos são muito mais frequentes do que realmente são.

Na verdade as coisas andam muito bem. Evolução é uma lei da natureza e a sociedade está em evolução exponencial nas últimas décadas. Além disso o estado natural do ser humano é o de bem estar. Doenças são exceção. Acidentes são exceção. Basta lembrar que a maioria das pessoas entra nos seus carros todos os dias e volta para casa sem qualquer intercorrência.

Não percebemos, mas uma consequência muito negativa que decorre deste hábito cultural de reclamar, comentar o negativo e ruminar na nossa cabeça eventos negativos é que estamos treinando nosso cérebro em buscar eventos negativos para trazer para a nossa lembrança consciente. Ele entende que desejamos lembrar apenas dos eventos negativos. Nosso cérebro não julga se isso será benéfico ou não para nós e não interfere, não julga se é uma visão acurada ou se está totalmente fora da realidade. Apenas faz o que acredita que é o que desejamos, uma vez que fazemos isso o tempo todo. Portanto, estamos treinando nosso cérebro a ignorar uma série de eventos positivos que aconteceram ao longo do dia e focar a atenção apenas nas pequenas intercorrências.

O diário da gratidão reverte este funcionamento cerebral pois é uma forma de treinar o cérebro a enxergar o que aconteceu de bom. Com a prática, o cérebro entende que você deseja ficar mais consciente do eventos positivos, trazê-los à memória com maior frequência, e, adivinha...! Com o tempo você passa a ter uma visão mais acurada e mais proporcional da realidade, mais conhecida como uma visão otimista!

Outro exercício semelhante mas um pouco diferente no sentimento gerado é fazer uma lista de positivos. Para algumas pessoas é difícil fazer uma lista de gratidão pois naquele momento não estão conseguindo se sentir gratas por nada, então este exercício é mais fácil. Basta parar para listar, mentalmente ou por escrito, em alguns momentos durante o dia, tudo o que está dando certo no dia, tudo o que você conseguiu realizar, eventos que o ajudaram e qualquer outro evento positivo.

Este exercício modifica o seu estado mental instantaneamente, estimula seu cérebro a produzir neurotransmissores de bem estar e de quebra, ensina ao seu cérebro que o seu objetivo mudou, que você agora está interessado em trazer à mente o que aconteceu de bom e não os eventos negativos.

Isso é valiosíssimo, pois significa que você está treinando o seu cérebro a ter um funcionamento diferente ao que ele foi treinado até agora para fazer. Com o tempo de prática, isso começa a acontecer de forma cada vez mais automática e você passa a ter uma atitude geral mais positiva. Como consequência, tudo fica mais leve, você fica mais criativo, enxerga soluções com mais facilidade e começa a ter a impressão que o universo está conspirando a seu favor. Bem, talvez não seja só impressão. :) ;)

Trecho adaptado do livro “Transforme seus pensamentos, transforme sua vida”, de minha autoria.